sexta-feira, 7 de março de 2014

AMA A TUA DOR


Paradoxalmente, anelavas pela paz, quando edificando o bem entre as criaturas humanas, e és defrontado pela incompreensão e repúdio.
Sentes desencanto ao constatares que os sagrados misteres a que te entregas são recebidos com acrimônias e suspeitas.
Desanimam-te os comportamentos daqueles nos quais confias, na grei onde mourejas, produzindo amarguras e mal-estares.
Entristece-te a maneira como te tratam os amigos da seara em que te movimentas, desconfiados em relação à tua entrega.
Constatas insanas competições onde deveriam multiplicar-se as cooperações, como se o labor pertencesse a cada um e a seara estivesse destituída de administrador e abandonada pelo Senhor.
Sentes cansaço e não consegues renovação íntima, diante da ausência de tempo hábil para a reflexão.
Pensavas que os corações afetuosos, que sorriem contigo, permaneceriam acessíveis ao teu nos momentos difíceis, constatando, porém, que o ego neles predomina, em relação ao coletivo no grupo em que te fixas.
Ocorrem-te a desistência e o retorno às tuas origens, porque o paraíso que acreditavas estar ao teu alcance, na convivência com os demais servidores, é somente uma aparência com os mesmos desvãos que encontravas no anterior convívio social por onde te movimentavas.
Sofres, porque anseias pela harmonia e acalentas o sonho da plena solidariedade, que se te apresenta muito distante...
Não te esqueças, porém, de que os santos e serafins transitaram também no corpo e alcançaram esse nível de evolução porque enfrentaram equivalentes ou mais ásperas refregas.
Ninguém atinge o altiplano sem a caminhada pelas baixadas sombrias e difíceis de acesso.
Revigora-te na luta, sendo tolerante para com todos e exigente para contigo mesmo.
O reino dos céus é construído com os materiais da renúncia e da compaixão, da bondade e da comiseração, sob o patrocínio do amor.
Repara a Natureza sacudida frequentemente pelos fenômenos destrutivos que a visitam, permitindo-lhe, logo depois, renovação, exuberância e beleza na produção dos tesouros da vida.
De igual maneira ocorre na floresta humana.

Não te desencantes, pois, com os outros que, por sua vez, também se permitem frustrações em relação a ti.
Se amas Jesus e o teu objetivo é servi-lO, avança contente, conforme o fez o Irmão Alegria.
Ama a tua dor.
No momento em que o teu amor seja capaz de superar o sofrimento, sem rebeldia nem queixa, terás alcançado a meta que buscas.
A dor é um buril lapidador das anfractuosidades dos minerais duros dos vícios e dos arraigados hábitos infelizes.
Quem não enfrenta com harmonia interior os desafios da evolução, acautelando-se do sofrimento, permanece em lamentável estagnação que o conduz à paralisia emocional em relação ao crescimento íntimo.
Os caminhos do Gólgota, assim como os da Úmbria, ainda permanecem com sombras por cima e espinhos no seu leito, exigindo coragem e abnegação para serem percorridos com júbilo.
Vencê-los é o dever que a fé racional te impõe, a serviço de Jesus, a quem amas.
Se almejas alegria e bem-estar nos moldes profanos estás em outro campo de ação, mas se buscas o serviço com o Mestre de Nazaré, os teus são júbilos profundos e emoções superiores bem diferentes das habituais.
Não relaciones, pois, remoques e erros, antes aprende a retirar o melhor, aquela parte boa que existe em todos os seres humanos e enriquece-te com esses valores, sem te preocupares com a outra parte, a enferma, ainda não recuperada pelas dádivas da saúde espiritual.
Tem mais paciência e aprende a compreender em vez de censurar e exigir. Cada qual consegue fazer somente o que lhe está ao alcance, não dispondo de recursos para autossuperar-se no momento.
Jesus, modelo e guia da humanidade, conviveu com mulheres e homens bem semelhantes àqueles com os quais hoje partilhas a convivência, em labuta ao teu lado, suportando-se reciprocamente e dedicados ao amor.
Se, por acaso, sentes a sutil visita da intriga, da acusação e de outras mazelas que atormentam a sociedade, acautela-te, não lhes concedas guarida nem atenção, ignora-as e segue, irretocável, adiante.
Melhor estares na luta de sublimação, do que no leito da recuperação sob o impositivo de limites e restrições, impostos pelo processo de crescimento para Deus e para ti mesmo.
Em qualquer situação, alegra-te por te encontrares reencarnado, portanto, no roteiro da autoiluminação.

Ama a tua dor e ela se te tornará amena, amiga, gentil companheira da existência. E enquanto amas, trabalha pelo Bem, compensa-te com as bênçãos dos resultados opimos que ofereças ao Senhor, que transitou por sendas idênticas e mais dolorosas que essas por onde segues.
Assim, continua em paz, viandante das estrelas que te aguardam no zimbório celeste.
Francisco de Assis amava as suas dores e transcendeu todos os limites, conseguindo demarcar os fastos históricos com a renúncia, a simplicidade e as canções de inefável alegria.
E Clara, que lhe seguia o exemplo sublime, impôs-se dedicação integral e, ao partir da Terra, achava-se aureolada pelo sofrimento no qual encontrou a plenitude.
De tua parte, ama também a tua dor e experimentarás incomparável bem-estar.



pelo Espírito Joanna de Ângelis - Psicografia de Divaldo Pereira Franco, na sessão mediúnica de 16 de dezembro de 2013, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia. Do site: http://www.divaldofranco.com.br/mensagens.php?not=35





quarta-feira, 17 de abril de 2013

A última vez.



Hoje anjo querido, lembrei de quando ouvi sua voz pela última vez.
Aquela voz rouca e doce, mas que estava fraquinha e sem forças. Não podia acreditar. Não queria acreditar.
Quem pensaria que no outro dia as coisas virariam do avesso?
Meu anjo amado...que saudade de ouvir você falar meu nome tão feliz. Parecia que quando eu te ligava era a coisa mais linda do munddo para você. Nunca mais ouvi meu nome com tanta felicidade e amor.
Meu anjo amado....precisava tanto do seu eu te amo. Precisava tanto da sua confiança em mim. Do seu amor, mesmo distante.
Lembro que você me disse: " a gente sempre longe e vai continuar longe" e eu disse que estávamos sempre perto de coração. Mal sabia eu o que aconteceria. Mas de coração continuamos perto. Sempre.
Lembro de você falar do seu braço...lembro de dizer que não podia partir pois eu ainda não tinha filhos e como eles iam ficar sem a bisa deles. Como eles não conheceriam minha super vó. Super, LInda, meu amor.
Hoje  tento lembrar sua voz e ela me falta....
Falta tanto...falta você...sua presença...
Falta de ouvir "te amo filha" e eu falar eu tb vó.
Saudades eternas

quarta-feira, 10 de abril de 2013

Cansaço


Em um determinado momento da vida, parece  que o arco-iris vira cinza, e que as cores desaparecem. A rotina toma conta e você parece um robo que anda no automático. Levanta da cama, toma café, pega o carro, vai pro trabalho e os mesmos mecanismos sempre. "Todo dia ela faz tudo sempre igual..."
Em determinado momento você tenta mudar sua rotina, mas parece que aquilo te consome mais.
A bateria vai enfraquecendo e você não sabe onde abastecê-la.
O que você faz, já parece que não faz com o mesmo ânimo com o mesmo amor.
Sente a vontade de parar e mudar algumas coisas, mas não consegue não tem forças. Elas estão se consumindo.
Então você pensa em partir. Fazer uma longa viajem. Seria bom...mas de que adianta fugir assim. Preciso lutar contra a falta de energia.
Bom...as coisas não vão bem. Não me encontro nem me vejo quando me olho no espelho. Falta energia e cor.
Sinto falta da paixão desmedida pela profissão. Daquela loucura dos primeiros anos. Mas minhas energias foram consumidas.
Inimizades, falta de ânimo, falsidades, desafios, quedas...
Onde eu me reabasteço....onde acho ânimo para viver......


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Retornando...




Bom, foram 6 meses sem me expressar aqui, palavras soltas, desabafos. Blogs que eu seguia também acabaram. Então eu vinha aqui e relia posts antigos. O que me chamou a atenção foi o que escrevi sobre o final do ano passado. Otimista em que 2012 seria um ano muito melhor. Ledo engano. Foi o pior ano da minha vida. Ainda reconstruo pedaços de alguém que perdeu muito, que chegou a querer desistir de tudo. Mas claro que uma coisa tenho que agradecer em tudo isso. A punica coisa boa e que eu já tinha previsto. A cura do câncer de meu pai. Isso foi muito bom. Pois mais uma perda nesse ano....acho que sucumbiria.
Tenho certeza que Deus segurou a mim e a minha família em seus braços. Mas ainda continua sendo difícil.
Mas hoje, decidi voltar a escrever. Adoro...e quem sabe as inspirações não voltam.
Várias quedas, várias decepções....diariamente monitorando sentimentos, juntando cacos, reconstruíndo
uma vida sem um pedaço vital. Esse pedaço está muito próximo a mim, mas não posso tocar.
E como sei que ela não iria querer que eu sucumbisse...estou aqui tentando repaginar.
Voltarei a me expressar...e espero daqui em diante ter muita coisa boa para contar.
Estou lendo o livro Educando Sentimentos - Psicografado por Wanderley de Oliveira pelo espírito Ermance Defaux....muito bom. Nos ajuda a ver que devemos nos amar, admitir nossos sentimentos e não ter vergonha deles, mas claro sempre buscando melhorar, dominar as más tendências.
E no meio dele , um trecho de um poema de Fernando Pessoa, que transcrevo abaixo para encerrar o primeiro post de muitos que virão:
"A criança que fui chora na estrada
Deixei-a ali quando vim ser quem sou
Mas hoje, vendo o que sou é nada
Quero ir buscar quem fui onde ficou
Olá criança! Vim buscar quem fui, onde ficou
Que bom te reencontrar,
Pois sei que um dia deixei-te na estrada para ser quem sou
Voltei agora para te buscar
Perdoe-me por te abandonar.
Enquanto chorávas, eu dormia sono de conquistas passageiras.
Agora estou desperto, vim te buscar...."

Muita paz e luz

Fer

domingo, 20 de maio de 2012

E meu anjo terreno foi para o céu





A gente nunca imagina que as pessoas que amamos irão partir....
Há 1 mês venho pensando em escrever sobre isso, mas não estava conseguindo. Não conseguia escrever, não conseguia pensar, não sabia como usar as palavras e nem quais usar.Mas hoje tomei coragem e vou falar sobre a maior dor, sobre a partida de meu anjo terreno para o céu.
Na minha vida sempre tive 4 pilares: minha mãe, meu pai e meus avós maternos. Eles são as pessoas responsáveis por minha criação, muito do que sou hoje, devo a essas 4 pessoas maravilhosas. Fui a primeira neta e única mulher neta durante 23 anos.
Há 1 mês, No dia 20 de abril, as 7:05 da manhã...um dos meus pilares se foi. O meu anjo, meu amor...minha vozinha Ana Elma. Sabe aquelas notícias, que mesmo depois de você constatado o fato, você demora alguns dias para entender...que realmente aconteceu. Você pode ter visto, sentido e mesmo assim ainda dúvida. Estou na fase ainda do será mesmo? Não será apenas uma pesadelo? Será que quando eu voltar ela vai estar lá anciosa me esperando como sempre? E as vezes a vida vem e diz ACORDA....e aí dói.
Parti no dia 20/04, para uma viagem que eu nunca imaginei fazer. Aquele tipo de viagem que ao mesmo tempo que você  quer chegar...você não quer. A viagem dolorida...que culminaria não mais com o sorriso e o abraço, mas sim com a constatação de que meu anjo havia retornado para a casa do Pai....que dor, que falta, que saudade.
Lembro que ela contava para todo mundo ,orgulhosa, que dormia comigo no peito, para sentir que eu estava respirando, pois eu era muito frágil e pequena.Ela falava isso com tanto orgulho que me emocionava.
Lembro de minha infância, de achar o máximo ir dormir na casa de minha avó. Passar as férias na casa da minha avó. Foi lá que eu decidi ser veterinária. Foi lá que tive o contato com os bichos. Foi graças a ela e a meu avô que aprendi a amar os animais. E também foi graças a eles que consegui terminar a minha faculdade, que era meu sonho...e deles também. 
Lembro das roupas que ela fazia para mim ( muitas guardadas até hoje) e para minhas bonecas.
Lembro do pão em forma de boneca que ela fazia para mim toda vez que eu dormia lá.
Sempre feliz com minha chegada, anciosa para me ver...a tarde já estava me esperando para aquele abraço de amor. Sempre com o mesmo jeitinho, sempre com aquele sorriso. 
Sempre extremamente preocupada comigo, numa de minhas crises de depressão, fez o enorme sacrifício de vir até aqui, encarar ônibus, avião e deixar meu avô que adoeceu um dia antes, lá. Veio em nome do amor por mim, de sua preocupação...que prova de amor.
Lembro de quando vim para Formosa a 7 anos atrás, e ela me apoiou, mas sentiu tanto, ela e meu avô chorando, essa cena me corta o coração e me faz perguntar: "como eu consegui vir?"
Lembro quando ela me ligou, para me consolar quando eu soube que meu pai estava com câncer. Quanta ternura. Preocupada demais com os outros e esquecendo de si. Rezou pelo meu pai, fez novenas. E graças a Deus...ele está bem. Falava não admitir perder mais um genro ( pois tenho um tio muito amado, Laudir Rech, que partiu no ano de 2000).
 Como dói ter escolhido caminhos distantes...que me fizeram passar tanto tempo longe fisicamente, sem sentir aquele abraço, sem ver aquele sorriso, sem ter a convivência diária.
Nunca mais sentirei o gosto daquela comidinha, feita no fogão a lenha. Aquela comida maravilhosa...a melhor do mundo. O macarrão, que quando me perguntam qual a sua comida favorita, não só eu como meu primo Evertom respondemos: O MACARRÃO DA MINHA AVÓ. Minha avó, quanta dor nesse vazio imenso no meu peito.
Muitos podem pensar que , por estar distante, seja mais fácil ir aceitando a idéia. Mas não. Sei que a rotina diária não é fácil, até porque você tem que se acostumar com a falta. Mas eu, vivo na ilusão, de que quando eu chegar, ela vai chegar, normalmente as 2 horas da tarde...para me dar seu abraço de boas vindas. E se ela não vier, irei a sua casa, e ela sairá com o sorriso no rosto, toda surpresa, me receber...ilusão. Agora quando eu voltar para lá, ela não estará mais lá. Apenas suas marcas deixadas. Apenas um vazio em seu lugar.
Cuidava de todos com amor, muito amor e preocupação. Esposa, mãe, avó, nora, irmã, filha, amiga devotada, dedicada e amorosa. O que será de mim sem você?
Sinto tanto não poder ter realizado seu sonho, de ir com ela até o Rio Grande do Sul, para que seus familiares me conhecessem. Sinto tanto por não ter estado em seu aniversário de 80 anos, sinto por tantos momentos que perdi a seu lado. Sinto por tantas reuniões em famílias não compartilhadas junto com todos. Essas a partir de agora já não serão as mesmas.
Como dói não ter segurado sua mão em seu sofrimento. Não ter estado lá junto dela. 
Na rápida semana que se passou, em que ela adoeceu e partiu, todos os dias eu acordava com a música do Roberto Carlos em minha cabeça " eu tenho tanto, pra lhe falar, mas com palvras, não sei dizer, como é grande o meu amor por você..." e foi assim que eu me despedi dela. Eu conversava durante essa 1 semana em pensamento com ela, e cantava para ela. E foi assim que eu a homenagiei. Pois essa música foi o mais próximo de minha declaração de amor a ela...pois não existem palavras para expressar a nossa ligação e o nosso amor. O amor mais puro. Que ama incondicionalmente...e acima de tudo. Ela pode ter tido defeitos, mas para mim não. Para mim ela foi perfeita. Sempre. Ela sempre será meu amor.
Lembro quando falei com ela, por telefone, pela última vez, no domingo 15/04. Ela falou " filha, a gente tão longe e vai continuar longe"..então eu falei..que a gente estava longe de corpo, mas de coração sempre estávamos juntas. Essa foi nossa última conversa.
Em nenhum momento perdi a esperança de que ela iria melhorar. Sempre, no meu íntimo egoísmo, achei que ela iria me esperar. Mas era sua hora...apesar de até agora estar sendo difícil aceitar e acreditar que essa hora chegou. Nunca imaginei...nem no meu mais íntimo pesadelo, que isso aconteceria tão cedo.
Sei que ela está bem. Sei porque ela me falou. Sim ela me falou. Quando eu estava indo pegar o avião, no carro pensando nela, de repente sua voz veio, aquela voz rouca e mansa, e me disse " Filha , a vó tá bem". Em vários momentos tentei imaginar ela me falando isso...mas não consegui. Tentava imaginar pensando que eu teria imaginado isso naquele momento, mas a voz não era a mesma. Por isso estou convicta de que foi ela. Foi ela que me disse isso, antes de realmente partir.
Não foi fácil a chegada lá, não foi fácil a volta para cá, não está na verdade sendo fácil. Tem dias que passam, que parece que nada aconteceu. Justamente por viver na ilusão. Mas quando o que é real vem em minha mente, uma dor no peito dilacera, e parece que vou enlouquecer.
Sei que quando chegar a hora de minha partida...ela irá me receber. E aí nos uniremos novamente por toda eternidade. Sei que agora não posso vê-la, nem senti-la, mas sei que ela estará olhando por todos nós...e que iremos nos encontrar.
Ainda estou num momento de adaptação, tentando acertar os eixos. Imagine um prédio perder um dos pilares de sustentação? Pois é. Essa sou eu. Um tanto desequilibrada, desconcertada, sem saber para onde ir. Sem rumo. Como vou caminhar, sem uma das mãos que apoiam? Terei que reaprender a andar.
Uma coisa que me incomoda, e que não sei como lidar, não sei se é normal, é que tento imaginar seu rosto e não consigo. Não sei o que acontece. Não sei se é assim. Espero que isso passe logo, pois quero poder rever sua imagem em meus pensamentos.
Hoje...existem 2 dores. A dor pela partida dela....e a dor de ver meu avô sofrendo a sua partida. Olhar para ele é ver o verdadeiro amor. Ver 56 anos de vida juntos. Ver o desespero de perder sua companheira. O choro como uma criança...um amor de verdade. Tão lindo e tão doloroso. Tão lindo pelo imenso amor. Tão doloroso pela perda em comum e pelo sofrimento dele. Agora, mesmo distante tenho que cuidar dele. Pois ele também é um dos meus pilares, junto com meus pais.
Vó, você me ensinou a amar. Você foi a primeira pessoa da família que me disse EU TE AMO FILHA. Você fez por mim muito mais do que eu mereci. Você me deu lições de amor, humildade, caridade. Você me ensinou o que era certo e errado. Você me ajudou a crescer. Você é um pedaço de mim...um pedaço um pouco mais distante agora...mas que um dia estará mais próximo do que nunca...nosso elo de ligação sempre estará mais forte...e vivo para que você continue tendo orgulho dessa sua neta....essa sua neta que te ama...e sempre sempre te amará.
Até um dia vozinha linda....espero que esteja bem e em paz. Te amo cada dia mais e mais.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Lágrimas

As lágrimas, que não caem de meus olhos, me enchem de angústia...
As lágrimas que não caem de meus olhos, não me deixam libertar sentimentos tão ruins e que se acumulam em minha alma.
As lágrimas que não caem de meus olhos, só nutrem a tristeza em meu coração.
O lágrimas, queria que caíssem sobre minha face,
Queria que deixassem minha alma se acalmar..
Ó lágrimas que fogem de meus olhos...voltem e me façam chorar...apenas para aliviar.

sábado, 31 de dezembro de 2011

2011

 


Bom, como foi 2011 para mim, o que foi que aprendi nesse ano, qual o saldo no final de tudo. estive pensando sobre isso desde ontem, então resolvi escrever.
Esse ano começou como todos desde 2007, muita tristeza, desânimo, sem sonhos e nem esperanças. Foi um ano difícil, pois o mal que me assola há 4 anos, acabou atingindo o meu refúgio que é o meu trabalho. Entrei em pânico frente ao trabalho. Pensei em desistir. Achei que não teria forças para continuar. Foi deseperador, pois minha válvula de escape era a minha maior paixão: Minha profissão. Muitas vezes devido a isso, ignorei pessoas, chorei de dor, não física mais da alma, deixei de atender bem. Me esforcei ao máximo para sorrir, quando na verdade por dentro estava em pedaços. E juntando todo o processo de Depressão que eu vinha encarando desde 2007, juntando o pânico, o desânimo profundo e a perda pelo interesse na vida, achei que esse ano seria o pior de todos. A cada dia acoradava e pedia a Deus força para continuar a minha jornada e a missão que ele me deu: cuidar da saúde dos seres tão especiais que são os animais. Foi meu amor pelos animais que me fez ser forte para continuar trabalhando. Todo dia levantava sem vontade nenhuma, e no caminho eu ia dizendo vou conseguir, vou conseguir, vou conseguir. E graças a Deus...cheguei até o final...bem diferente.
A minha amiga depressão neste ano começou a se afastar de mim desde setembro. Comecei a descobrir uma Fernanda mais forte, uma Fernanda escondida dentro de uma pedra, que agora está sendo lapidada. Uma Fernanda decidida, que deixou de ter medo dos outros, que  continua se importando com todo mundo mas que começou a dar valor para si também. Estou aprendendo que sou mais forte do que eu pensava.
E acho que tudo foi muito providencial, pois se eu não estivesse forte e um pouco mais equilibrada, teria caído no fundo do poço com a notícia de que meu pai estava com o Grande C ( achei inetressante essa expressão que ouvi no filme A vida e morte de Charles St Cloud), ou câncer. Doeu demais, pois a visão que temos é que Câncer = a morte, o que hoje com todos os recursos não é mais. O bom é que tudo foi dando certo apos o diganósico logo o tratamento e no final com certeza a cura. Mas tive que mais uma vez buscar a força interior para que eu pudesse dar suporte as 2 pessoas que mais amo em minha vida: Meus Pais. Minha mãe, tadinha, queria poder tanto estar lá para lhe dar apoio, pois está sofrendo muito com toda a situação. Meu pai sei que sofre calado...pois ele tinha certeza que não era nada. Mas no final tudo dará certo tenho certeza, meu pai ficará curado e todos nós felizes.
Foi o ano em que perdi 2 pessoas próximas de minha família: Meu avô Scholtz e Meu Tio Osmar...e doeu não estar lá para abraçar meus entes queridos. Mas de longe sempre mandei minhas orações e energias positivas para que tudo desse certo para todos e que a mão divina os amparace.
Enfim posso dizer que o final de 2011 está marcando uma nova página de minha vida. Eu espero que eu continue me descobrindo, que eu continue sendo forte. Que eu vença minha terríval amiga depressão. Que após 4 anos eu possa viver em paz, sem a agonia e a ansiedade diária. Sem ter medo de estar no meio da multidão. Sem ter medo das pessoas. Que eu continue me descobrindo uma pessoa confiante. Que eu consiga domar meus defeitos e ser alguém do bem. Que eu consiga controlar meus pensamentos ruins e deixar os bons prevalecerem. Que eu consiga exercer a caridade para com todos meus irmãos. Que eu possa apoiar e ajudar as pessoas que se encontram tristes, precisando de apoio.
Hoje tenho sonhos e planos...o que até 4 meses atrás não tinha mais...redescobri como é bom sonhar.
Meu maior sonho hoje??? Ver meu pai curado e minha família feliz....o resto eu corro atrás.
Que venha querido 2012... você com certeza será apenas o início do caminho para a verdadeira felicidade.
Um grande abraço...beijo no coração de todos...e que Deus ilumine esse ano que se incia.
Feliz ano novo !!!!
Fer